Posted tagged ‘Exibicionismo’

Por um Big Brother mais latino

janeiro 13, 2010

Eu tinha até pensado em deixar de lado o viés desgracia deste blogue no primeiro post do ano. Sei lá, no meio da bebedeira, da euforia que sempre precede el año que se viene, passou isso pela minha cabeça. Mas aí veio o começo de janeiro e uma sucessão de desgracias increíbles.

Deslizamentos em Angra, levante contra brazucas no Suriname, Hebe Camargo com câncer, Boris Casoy e sua garifobia, enchentes…Foi difícil escolher uma para cornetar comentar aqui porque elas foram surgindo muito rápido. Porém, sempre existe a gota d’água, e ela atende pelo nome de Big Brother Brasil-sil.

Ó nóis aqui, gentzi!

Tipo, eu não acompanho a parada. Não sei quem são os participantes, de onde eles saíram, o que pretendem, etc. Não assisti ao primeiro episódio que foi ao ar ontem no canal global. No entanto, pelo pouco vi e ouvi o pessoal falando, será muito difícil esta edição conseguir ser diferente das demais.

Uma pena.

El tema es que o formato da atração é sempre o mesmo: piriguetes que vão sair na playboy, fortões pseudo-comedores e alguma figura que seja apresentada como ‘excêntrica’. Nesse grupo já tivemos idosos, tatuados e parece que agora estarão na casa uns twitteiros e uma drag queen.

Talvez seja mesmo excêntrico para aqueles que não pertecem a estes determinados grupos sociais. Os caras querem criar identificação com esses tipos de telespectadores mas no final das contas o tiro sai pela culatra. Velho não assiste reality show. Meu avô, por exemplo, curte um Law & Order: SVU no horário de exibição dos bróders. Muitos vão para a cama. A galera que curte mesmo La Casa é um pessoal mais jovem, que tem tatuagem, twitter e manja o que é uma drag.

Ronaldo.

Então por que a parada é um sucesso? Simples, o povão adora e compra o estilo de vida vendido pelos europeus e os manos do tio sam desde sempre. Não dá pra brigar contra isso, claro, mas pelo menos dá pra ser mais honesto com o público. Cadê a malemolência, o gingado, o jeito moleque latino personificado na casa mais famosa, hein?

Isso aqui é América Latina, rapá! Esto es Latinoamérica, chabón!

Conclamo para que na próxima edição do programa la casa tenga um legítimo representante latino! O Big Brother precisa de um Macunaíma boiando na piscina o dia inteiro com o cigarrillo no bico. Um Macunaíma jogando 21 sozinho num canto da sala. Uma Macunaíma tomando sol o dia inteiro sem ter escovado los dientes ao longo do dia. Macunaímas que não escondam seus instintos sexuais quando esses atingirem altos níveis durante as festas e as provas de sobrevivência.

Não. Nada a ver com isto.

Por suerte, Bial, não será difícil encontrar pessoas que se enquadrem no perfil. Quem não gostaria de uma mamata dessas e ainda correr o risco de ficar milionário no fim? Eu até me candidataria, mas esse papo de fazer vídeo pra seleção é um pé no saco. E aqui na vila não tem ninguém pra emprestar uma câmera.

Acabaram com o sexo (na moita)

novembro 23, 2009

É uma grande desgracia não poder gozar. Não gozar da liberade, do direito de ir e vir. De certa forma, andam banindo os prazeres da vida latina. O consumo de cerveja e cigarro está cada vez mais cerceado. Os bingos, fechados. Música alta só até às 22h. A farra e a falta de limites sempre foram os pilares que sustentam a nossa sociedade desde eras mitológicas. Onde foi parar a boemia do saudoso Nelson Gonçalves? As cidades do prazer descritas por Nelson Rodrigues?

Por sorte, o sexo ainda está por aí. Mas por enquanto. Existem indícios de que ele se nos está escapuliendo por entre os dedos. A restrição velada parcial de alguns prostíbulos pelos governos fez com que eles ficassem concentrados em regiões específicas, criando zonas de zonas. Sacou?

Por serem poucas para atender a demanda, a lei da oferta e procura se encarregou de aumentar tudo: o lucro, a propina e o grau de instrução dos funcionários do santo meretrício, já que muitos abandonaram a escuridão da ignorância e partiram para a luz do ensino superior.

Ou seja, quem quiser agora desfrutar do serviço tem que pagar mucha plata porque o mercado da sacanagem está altamente qualificado. Não me surprenderia num futuro próximo, por exemplo, caminhar pela rua Augusta e ver certificados ISO 9000 pendurados nas recepções dos puteiros. Ou, sei lá, a criação de um SAC para atender ao cliente que se sentiu lesado:

“Nova Babilônia, boa tarde”
“Safardanas! Paguei por duas horas e me tiraram do quarto antes disso”
“Senhor, saiba que esta ligação está sendo gravada…”
“Vagabunda!”
“…e ofensas podem ser usadas contra o senhor…”
“Lambisgoia!”
“…num futuro processo judicial.”
“Pro diabo que te carregue!”

Como somos malandros, velhacos e dribladores de adversidades, arrumamos uma namoradinha aqui e ali para poder baixar os níveis da libido e não depender mais das casas de massagem. Tudo vai bem até acabar a grana reservada no orçamento para o motel e começar um verdadeiro efeito cascata de desgracias.

A casa dos pais é sempre uma boa carta na manga, mas aí a intimidade do lar sucita um relacionamento duradouro na mente feminina. O interior de um carro seria uma boa não fosse a estatística de que nós, latinos, temos na garagem geralmente uma caranga sem gasolina velha e de pequeno porte.

Aí passam pela cabeça lugares como o Parque do Estado, Piqueri, Jardim Botânico, Bric da Redenção, Pelourinho, alguna plaza arborizada de San Telmo ou aquela ruazinha mais escura do distante oitavo anillo de La Paz. “Mas é claro!”, pensa a romântica e incauta mente sudaca.

Transar à luz da lua, num parque, talvez próximo a uma linha de trem, sem ninguém por perto (ou com a possibilidade de ser visto) são fatores que excitam homens e mulheres aqui da Sudamerica.

Entretanto, eu falei que estão cerceando os prazeres da vida latina. Nem trepar nos espaços públicos podemos mais, como noticiou a Folha Online aqui. Uma verdadeira desgracia para a Saúde Pública e o bem-estar social.